Divórcio e luto

Revisado em 18 de fevereiro de 2021

Fechar

Artigo por e-mail

Preencha o formulário para enviar o artigo por e-mail ...

Os campos obrigatórios são indicados por um asterisco (*) adjacente à etiqueta.

Separe vários destinatários com uma vírgula

Fechar

Inscreva-se para receber boletins informativos

Preencha este formulário para se inscrever em boletins informativos ...

Os campos obrigatórios são indicados por um asterisco (*) adjacente à etiqueta.

 

Resumo

  • Reserve um tempo e um lugar para pensar, sentir, gritar e chorar.
  • Fazer exercício físico regular.
  • Não seja muito duro consigo mesmo nem alimente sentimentos de vergonha ou culpa.
     

Não importa o quanto nossa cultura aceite o divórcio, a separação nunca é isenta de dor. Essa dor pode ser aguda quando um membro do casal investiu mais no casamento do que o outro. Muitas pessoas concluem erroneamente que, como o divórcio é comum, não é realmente tão doloroso. Então, quando sentimentos de choque, traição, tristeza, culpa e raiva aparecem devido a um divórcio ou rompimento de relacionamento, eles podem ser demais. Ao mesmo tempo, nossa sociedade oferece poucos caminhos para lamentar essa enorme perda.

Por que o divórcio é tão doloroso? Em parte, a dor está ligada ao fato de as expectativas do casamento (compromisso, fidelidade e exclusividade) serem muito altas. Em outras palavras, quando duas pessoas se comprometem com o casamento, elas concordam em tornar seu relacionamento especial e acima de todos os outros relacionamentos. Isso exige muita confiança e sacrifício compartilhado. As feridas podem ser muito profundas quando essa confiança é traída. Sem os devidos cuidados, essas feridas podem ser devastadoras.

Estágios da dor

A pesquisa mostra que quando as pessoas se divorciam, sejam quais forem os motivos, elas passam por alguns estágios previsíveis de luto: 

Choque e descrença: Nosso sistema de defesa natural funciona como controle de cruzeiro para evitar que as emoções nos dominem. Esse controle de cruzeiro emocional nos permite funcionar em uma névoa de negação. De fato, muitos dizem que nem conseguem se lembrar de certos detalhes de quando o divórcio se tornou realidade. Esse entorpecimento emocional serve para nos manter em movimento como se nada tivesse acontecido.

Angústia: Existe uma razão para o “desgosto” após o fim de um relacionamento. À medida que a negação desaparece e a realidade se instala, as pessoas geralmente relatam dor física. Náuseas, vômitos, cólicas, falta de ar, perda de apetite e uma sensação de que você nunca mais estará completo são comuns. Do lado emocional, muitos sentem culpa, vergonha, raiva e até raiva. Eles podem refletir sobre as conversas anteriores com o ex, como se repeti-las repetidamente mudasse como eles se sentem.
 
Desespero, depressão e solidão: Depois que o grande drama do divórcio diminui, há a dura percepção de estar sozinho. A depressão e uma forma de depressão chamada reação de ajustamento são comuns nesse estágio. Alguns ficam presos aqui em seu ressentimento e ficam com raiva e amargos. Outros seguem em frente com o apoio de amigos, familiares e/ou sua comunidade de fé.

O que fazer e o que não fazer

Aqui estão alguns prós e contras para lidar com o processo de luto.

Fazer:

  • Reserve um tempo e um lugar para pensar, sentir, gritar e chorar
  • Faça exercício regularmente
  • Não seja muito duro consigo mesmo nem alimente sentimentos de vergonha ou culpa. Se você precisa desabafar, faça isso agora.
  • Passe tempo com outras pessoas de confiança que ouvirão e deixarão você desmoronar
  • Reconheça e aceite os aspectos bons e ruins do seu casamento
  • Procure ajuda profissional se sua tristeza se tornar demais ou não diminuir

Não:

  • Entorpeça seus sentimentos com drogas ou álcool
  • Separe-se das pessoas
  • Mantenha-se muito ocupado e sobrecarregado
  • Evite amigos e familiares que possam ajudar
  • Diminuir ou descontar seus sentimentos
  • Ir para outro relacionamento

Lidando com a culpa quando você iniciou o divórcio

O divórcio é doloroso, mesmo para o parceiro que queria deixar o casamento. Ninguém se casa esperando que isso acabe, então é normal sentir uma sensação de perda pelo futuro que você imaginou. Também é normal sentir culpa. Se você tem um filho, pode se culpar por separar a família.

Embora a culpa mostre que você se preocupa com os outros, ela pode ser um problema quando é tão forte que afeta sua saúde e bem-estar. Tente colocar a situação em perspectiva. Lembre-se de que permanecer em um casamento ruim não é bom para ninguém: nem para você, nem para seu cônjuge ou filho.

Todos merecem ser felizes e viver livres de conflitos. Embora possa levar algum tempo para que todos se curem da dor de um rompimento, a longo prazo isso libertará seu ex-cônjuge e você para forjar uma vida nova e gratificante. Contanto que vocês se tratem com respeito, seu filho ficará melhor do que se vocês continuassem em um casamento infeliz.    

Voltando à vida

O tempo pode ajudar a curar quando reconhecemos que temos que sofrer. Dizer a si mesmo que a dor não vai durar para sempre e abraçar a beleza e o significado de cada dia dá esperança.

Nesse estágio, as pessoas podem começar a avaliar com justiça o que deu errado em seu casamento e assumir seu papel na separação, por menor que seja. O “deixar ir a dor” continua, mas as lágrimas não duram tanto.

Seguir em frente também pode significar separar os bons momentos dos ruins. Não é prejudicial recordar e abraçar boas lembranças. O divórcio não precisa arruinar o que havia de bom em um relacionamento, principalmente quando há um filho envolvido. Lembre-se de que seu ex sempre será a mãe ou o pai de seu filho.

Lamentar a perda de um relacionamento nunca é fácil. Se precisar de ajuda para lidar com uma perda, ligue para o número gratuito neste site. 

 

Por Drew Edwards, MS, Ed.D.

Resumo

  • Reserve um tempo e um lugar para pensar, sentir, gritar e chorar.
  • Fazer exercício físico regular.
  • Não seja muito duro consigo mesmo nem alimente sentimentos de vergonha ou culpa.
     

Não importa o quanto nossa cultura aceite o divórcio, a separação nunca é isenta de dor. Essa dor pode ser aguda quando um membro do casal investiu mais no casamento do que o outro. Muitas pessoas concluem erroneamente que, como o divórcio é comum, não é realmente tão doloroso. Então, quando sentimentos de choque, traição, tristeza, culpa e raiva aparecem devido a um divórcio ou rompimento de relacionamento, eles podem ser demais. Ao mesmo tempo, nossa sociedade oferece poucos caminhos para lamentar essa enorme perda.

Por que o divórcio é tão doloroso? Em parte, a dor está ligada ao fato de as expectativas do casamento (compromisso, fidelidade e exclusividade) serem muito altas. Em outras palavras, quando duas pessoas se comprometem com o casamento, elas concordam em tornar seu relacionamento especial e acima de todos os outros relacionamentos. Isso exige muita confiança e sacrifício compartilhado. As feridas podem ser muito profundas quando essa confiança é traída. Sem os devidos cuidados, essas feridas podem ser devastadoras.

Estágios da dor

A pesquisa mostra que quando as pessoas se divorciam, sejam quais forem os motivos, elas passam por alguns estágios previsíveis de luto: 

Choque e descrença: Nosso sistema de defesa natural funciona como controle de cruzeiro para evitar que as emoções nos dominem. Esse controle de cruzeiro emocional nos permite funcionar em uma névoa de negação. De fato, muitos dizem que nem conseguem se lembrar de certos detalhes de quando o divórcio se tornou realidade. Esse entorpecimento emocional serve para nos manter em movimento como se nada tivesse acontecido.

Angústia: Existe uma razão para o “desgosto” após o fim de um relacionamento. À medida que a negação desaparece e a realidade se instala, as pessoas geralmente relatam dor física. Náuseas, vômitos, cólicas, falta de ar, perda de apetite e uma sensação de que você nunca mais estará completo são comuns. Do lado emocional, muitos sentem culpa, vergonha, raiva e até raiva. Eles podem refletir sobre as conversas anteriores com o ex, como se repeti-las repetidamente mudasse como eles se sentem.
 
Desespero, depressão e solidão: Depois que o grande drama do divórcio diminui, há a dura percepção de estar sozinho. A depressão e uma forma de depressão chamada reação de ajustamento são comuns nesse estágio. Alguns ficam presos aqui em seu ressentimento e ficam com raiva e amargos. Outros seguem em frente com o apoio de amigos, familiares e/ou sua comunidade de fé.

O que fazer e o que não fazer

Aqui estão alguns prós e contras para lidar com o processo de luto.

Fazer:

  • Reserve um tempo e um lugar para pensar, sentir, gritar e chorar
  • Faça exercício regularmente
  • Não seja muito duro consigo mesmo nem alimente sentimentos de vergonha ou culpa. Se você precisa desabafar, faça isso agora.
  • Passe tempo com outras pessoas de confiança que ouvirão e deixarão você desmoronar
  • Reconheça e aceite os aspectos bons e ruins do seu casamento
  • Procure ajuda profissional se sua tristeza se tornar demais ou não diminuir

Não:

  • Entorpeça seus sentimentos com drogas ou álcool
  • Separe-se das pessoas
  • Mantenha-se muito ocupado e sobrecarregado
  • Evite amigos e familiares que possam ajudar
  • Diminuir ou descontar seus sentimentos
  • Ir para outro relacionamento

Lidando com a culpa quando você iniciou o divórcio

O divórcio é doloroso, mesmo para o parceiro que queria deixar o casamento. Ninguém se casa esperando que isso acabe, então é normal sentir uma sensação de perda pelo futuro que você imaginou. Também é normal sentir culpa. Se você tem um filho, pode se culpar por separar a família.

Embora a culpa mostre que você se preocupa com os outros, ela pode ser um problema quando é tão forte que afeta sua saúde e bem-estar. Tente colocar a situação em perspectiva. Lembre-se de que permanecer em um casamento ruim não é bom para ninguém: nem para você, nem para seu cônjuge ou filho.

Todos merecem ser felizes e viver livres de conflitos. Embora possa levar algum tempo para que todos se curem da dor de um rompimento, a longo prazo isso libertará seu ex-cônjuge e você para forjar uma vida nova e gratificante. Contanto que vocês se tratem com respeito, seu filho ficará melhor do que se vocês continuassem em um casamento infeliz.    

Voltando à vida

O tempo pode ajudar a curar quando reconhecemos que temos que sofrer. Dizer a si mesmo que a dor não vai durar para sempre e abraçar a beleza e o significado de cada dia dá esperança.

Nesse estágio, as pessoas podem começar a avaliar com justiça o que deu errado em seu casamento e assumir seu papel na separação, por menor que seja. O “deixar ir a dor” continua, mas as lágrimas não duram tanto.

Seguir em frente também pode significar separar os bons momentos dos ruins. Não é prejudicial recordar e abraçar boas lembranças. O divórcio não precisa arruinar o que havia de bom em um relacionamento, principalmente quando há um filho envolvido. Lembre-se de que seu ex sempre será a mãe ou o pai de seu filho.

Lamentar a perda de um relacionamento nunca é fácil. Se precisar de ajuda para lidar com uma perda, ligue para o número gratuito neste site. 

 

Por Drew Edwards, MS, Ed.D.

Resumo

  • Reserve um tempo e um lugar para pensar, sentir, gritar e chorar.
  • Fazer exercício físico regular.
  • Não seja muito duro consigo mesmo nem alimente sentimentos de vergonha ou culpa.
     

Não importa o quanto nossa cultura aceite o divórcio, a separação nunca é isenta de dor. Essa dor pode ser aguda quando um membro do casal investiu mais no casamento do que o outro. Muitas pessoas concluem erroneamente que, como o divórcio é comum, não é realmente tão doloroso. Então, quando sentimentos de choque, traição, tristeza, culpa e raiva aparecem devido a um divórcio ou rompimento de relacionamento, eles podem ser demais. Ao mesmo tempo, nossa sociedade oferece poucos caminhos para lamentar essa enorme perda.

Por que o divórcio é tão doloroso? Em parte, a dor está ligada ao fato de as expectativas do casamento (compromisso, fidelidade e exclusividade) serem muito altas. Em outras palavras, quando duas pessoas se comprometem com o casamento, elas concordam em tornar seu relacionamento especial e acima de todos os outros relacionamentos. Isso exige muita confiança e sacrifício compartilhado. As feridas podem ser muito profundas quando essa confiança é traída. Sem os devidos cuidados, essas feridas podem ser devastadoras.

Estágios da dor

A pesquisa mostra que quando as pessoas se divorciam, sejam quais forem os motivos, elas passam por alguns estágios previsíveis de luto: 

Choque e descrença: Nosso sistema de defesa natural funciona como controle de cruzeiro para evitar que as emoções nos dominem. Esse controle de cruzeiro emocional nos permite funcionar em uma névoa de negação. De fato, muitos dizem que nem conseguem se lembrar de certos detalhes de quando o divórcio se tornou realidade. Esse entorpecimento emocional serve para nos manter em movimento como se nada tivesse acontecido.

Angústia: Existe uma razão para o “desgosto” após o fim de um relacionamento. À medida que a negação desaparece e a realidade se instala, as pessoas geralmente relatam dor física. Náuseas, vômitos, cólicas, falta de ar, perda de apetite e uma sensação de que você nunca mais estará completo são comuns. Do lado emocional, muitos sentem culpa, vergonha, raiva e até raiva. Eles podem refletir sobre as conversas anteriores com o ex, como se repeti-las repetidamente mudasse como eles se sentem.
 
Desespero, depressão e solidão: Depois que o grande drama do divórcio diminui, há a dura percepção de estar sozinho. A depressão e uma forma de depressão chamada reação de ajustamento são comuns nesse estágio. Alguns ficam presos aqui em seu ressentimento e ficam com raiva e amargos. Outros seguem em frente com o apoio de amigos, familiares e/ou sua comunidade de fé.

O que fazer e o que não fazer

Aqui estão alguns prós e contras para lidar com o processo de luto.

Fazer:

  • Reserve um tempo e um lugar para pensar, sentir, gritar e chorar
  • Faça exercício regularmente
  • Não seja muito duro consigo mesmo nem alimente sentimentos de vergonha ou culpa. Se você precisa desabafar, faça isso agora.
  • Passe tempo com outras pessoas de confiança que ouvirão e deixarão você desmoronar
  • Reconheça e aceite os aspectos bons e ruins do seu casamento
  • Procure ajuda profissional se sua tristeza se tornar demais ou não diminuir

Não:

  • Entorpeça seus sentimentos com drogas ou álcool
  • Separe-se das pessoas
  • Mantenha-se muito ocupado e sobrecarregado
  • Evite amigos e familiares que possam ajudar
  • Diminuir ou descontar seus sentimentos
  • Ir para outro relacionamento

Lidando com a culpa quando você iniciou o divórcio

O divórcio é doloroso, mesmo para o parceiro que queria deixar o casamento. Ninguém se casa esperando que isso acabe, então é normal sentir uma sensação de perda pelo futuro que você imaginou. Também é normal sentir culpa. Se você tem um filho, pode se culpar por separar a família.

Embora a culpa mostre que você se preocupa com os outros, ela pode ser um problema quando é tão forte que afeta sua saúde e bem-estar. Tente colocar a situação em perspectiva. Lembre-se de que permanecer em um casamento ruim não é bom para ninguém: nem para você, nem para seu cônjuge ou filho.

Todos merecem ser felizes e viver livres de conflitos. Embora possa levar algum tempo para que todos se curem da dor de um rompimento, a longo prazo isso libertará seu ex-cônjuge e você para forjar uma vida nova e gratificante. Contanto que vocês se tratem com respeito, seu filho ficará melhor do que se vocês continuassem em um casamento infeliz.    

Voltando à vida

O tempo pode ajudar a curar quando reconhecemos que temos que sofrer. Dizer a si mesmo que a dor não vai durar para sempre e abraçar a beleza e o significado de cada dia dá esperança.

Nesse estágio, as pessoas podem começar a avaliar com justiça o que deu errado em seu casamento e assumir seu papel na separação, por menor que seja. O “deixar ir a dor” continua, mas as lágrimas não duram tanto.

Seguir em frente também pode significar separar os bons momentos dos ruins. Não é prejudicial recordar e abraçar boas lembranças. O divórcio não precisa arruinar o que havia de bom em um relacionamento, principalmente quando há um filho envolvido. Lembre-se de que seu ex sempre será a mãe ou o pai de seu filho.

Lamentar a perda de um relacionamento nunca é fácil. Se precisar de ajuda para lidar com uma perda, ligue para o número gratuito neste site. 

 

Por Drew Edwards, MS, Ed.D.

As informações fornecidas no Achieve Solutions site, incluindo, mas não se limitando a, artigos, avaliações e outras informações gerais, é apenas para fins informativos e não deve ser tratado como aconselhamento médico, de cuidados de saúde, psiquiátrico, psicológico ou de cuidados de saúde comportamental. Nada contido no Achieve Solutions O site deve ser usado para diagnóstico ou tratamento médico ou como um substituto para consulta com um profissional de saúde qualificado. Por favor, dirija perguntas sobre o funcionamento do Achieve Solutions site para Feedback da web. Se você tiver dúvidas sobre sua saúde, entre em contato com seu médico. ©Carelon Behavioral Health

 

Fechar

  • Ferramentas úteis

    Selecione uma ferramenta abaixo

© 2024 Beacon Health Options, Inc.